segunda-feira, 25 de Agosto de 2014

A rapariga tatuada


Gosto de tatuagens, gosto de ver corpos tatuados, coloridos, histórias inscritas na nossa pele, gosto de memórias sempre presentes. Gosto traços old school, andorinhas que me lembram a fidelidade de quem regressa ano após ano; das âncoras que nos prendem ao chão como raízes; de cerejeiras que florescem em braços-troncos.
Mas a rapariga  apenas tinha dois efes tatuados a preto nas costas, como se fosse um violino ou um violoncelo, à espera de quem a tocasse, de quem fizesse soar música. Naquele instante, em que suas costas se afastavam, tudo o mais era silêncio.

segunda-feira, 11 de Agosto de 2014

Estejam descansadas que não conto a ninguém


Sentados ontem na relva ao meu lado, no Jardim da Estrela, um grupo de jovens na casa dos seus vinte e tantos anos discorria a sua sapiência acerca da infidelidade, 100% convicto naquilo que dizia, que tinha lido não sei quem, uma autora qualquer, que defendia que os homens traíam pelo sentido de aventura, ao passo que as mulheres o fariam para terem a atenção e carinho de alguém. E eu só tive vontade de rir, só de pensar no quão conveniente é para as mulheres que os homens continuem a achar que elas só traem por necessidades afectivas, quando na realidade o devem fazer pelas mesmíssimas razões que eles que, na verdade, é apenas pelo sexo.


segunda-feira, 28 de Julho de 2014

Ah, o corpo, esse malandro!


Podem dizer o que quiserem, mentir com quantos dentes têm, mas domar o corpo para que este não minta... é tarefa hercúlea. Gosto especialmente quando tentam ignorar que estamos acompanhados, mas a postura denuncia que estão desejosas que as apresentemos ou, melhor ainda, quando evitam o olhar para não nos verem, quando sabem de antemão que já lá estamos. 




Lembrar o óbvio


Cada um é responsável pelas suas escolhas.
Logo, ninguém é responsável pelas escolhas do outro.

quinta-feira, 24 de Julho de 2014

Nunca te apaixones

Canova, Cupido e Psique

por quem te diz: "- Amo-te muito". Porque para quem ama muito, também ama pouco. E o amor quer-se inteiro, pleno. Nem muito, nem pouco.